SEMINÁRIO INTERNACIONAL_“Arquitetura é forma de conhecer”


Evento realizado pela Escola da Cidade em parceria com o SESC. Estive presente na abertura que ocorreu no SESC Pompéia e teve como principais convidados os arquitetos Paulo Mendes da Rocha com o paraguaio Solano Benítez. 

Não houve, como em seminários convencionais voltados a arquitetura, a exposição de projetos. O encontro foi estruturado pelo bate-papo entre os convidados, com inegável interesse da platéia em ouvir as palavras do "profeta" Paulo Mendes da Rocha (PMR).

Creio que assim como costumava dizer Oscar Niemeyer, PMR esta "cansado de falar em arquitetura", pois assumiu poucas vezes a iniciativa do debate e quando o fez direcionou a assuntos de âmbito mais amplo, definindo questões existenciais e a dimensão política como elementos primordiais da arquitetura.

Pessoalmente gosto muito do discurso e da arquitetura produzida pelo Paulo Mendes, segue alguns fragmentos do que pude apreender de sua fala (sem transcrição literal);

"A função da arquitetura não é contribuir para vender coisas, mas atender as mais altas aspirações humanas, arquitetos deviam atuar politicamente diante das incoerências de um mundo fragmentado".

"O projeto é importante não enquanto projeto arquitetônico, mas como projeto político! Não se trata de questão ideológica mas de defender o projeto da existência humana na terra e do gozo da vida.. nesse sentido, do projeto para organização da vida humana no planeta, não faltaria trabalho para arquitetos."   








Penso que quanto menos profissionais e cidadãos forem bitolados em seus próprios interesses e mais interessados em questões  macro-políticas, de interesse coletivo, maiores serão as chances de sucesso da empreitada humana na terra. No caso da arquitetura fica o desafio para estudantes, profissionais e escolas saírem da caixa, do lugar comum. Que a força no discurso do Paulo Mendes da Rocha, reverbere e contribua para melhoria do frágil território da arquitetura no contexto político/social atual.

AC
SP/ 24.02.2018